Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Greve da Polícia Civil’ Category

A Polícia Civil de São Paulo iniciou na última terça-feira,16, uma paralisação para reivindicar aumento salarial de 15% para este ano e de 12% para 2009 e 2010.

De acordo com o Comando de Greve da Polícia, 80% dos distritos da Grande São Paulo aderiram à greve. No interior a adesão chega a 100%. Mas segundo o governo do Estado, na capital paulistana apenas 30% dos distritos estão paralisados. E no interior menos de 40%. (Dados da Secretaria de Segurança Pública)

A partir de segunda-feira,22, as lideranças do movimento dizem que irão seguir o governador José Serra para pressioná-lo a fazer um acordo. Já que para a Associação dos Delegados de Polícia do estado de São Paulo (Adpesp), até agora o governo não fez nenhum esforço para tentar chegar a um acordo com o movimento.

Punição aos grevistas

Na última sexta-feira, 19, o Secretário de Segurança Pública, Ronaldo Marzagão, disse que os policiais que aderirem à greve serão punidos com descontos nos salários.

Ele também determinou que a Polícia Militar deveria fazer os Boletins de Ocorrência e encaminhar à Promotoria Pública, em caso de dificuldades de registrar as ocorrências nos distritos da Polícia Civil.

Na sexta-feira foram feitos 139 boletins, ontem(sábado) foram realizados 23 ocorrências no estado todo, pela PM.

Em agosto

No dia 13 de agosto, a polícia entrou em estado de greve, permanecendo por sete horas paralisada. Além dos aumentos salarias, também reivindicam a eleição direta para delegado-geral.

Saiba mais sobre a paralisação do dia 13, aqui.

Mais sobre a greve:

Greve da Polícia Civil de SP chega ao 6º dia com 80% de adesão, segundo movimento

Com greve, PM registra 23 boletins de ocorrência em São Paulo

(Paola Peres)

Anúncios

Read Full Post »

A Greve da Polícia Civil do Estado de São Paulo acabou adiada para a semana que vem.

Em reunião realizada no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 2ª região, na tarde desta quarta-feira, representantes de sindicatos e associações da categoria e do governo estadual se reconciliaram.

 O governo do Estado terá uma semana para apresentar um índice de correção salarial que atenda às reivindicações. 

Uma nova paralisação não foi totalmente descartada, caso haja desatenção do Governo.

Os líderes sindicais afirmaram que a adesão da greve iniciada nesta quarta-feira foi “satisfatória”. Contudo, a polícia civil teve que atender à ordem judicial do Ministério do Trabalho, mantendo 80% do efetivo em ação.

Entenda o caso:

Polícia Civil de São Paulo entra em greve

Saiba mais:

Policiais e delegados de SP decidem suspender greve por uma semana

(Lielson Tiozzo)

Read Full Post »

A Polícia Civil do Estado de São Paulo entrou em greve a partir das 8h desta quarta-feira, 13. Policiais, delegados, escrivães e peritos decidiram cruzar os braços, para que as reivindicações feitas ao Governo sejam atendidas.

Na pauta das reivindicações está a participação da categoria nos estudos do projeto de reestruturação da Polícia Civil, cumprimento da data-base, transformação de vencimentos em subsídios, valorização da carreira, com aumentos salariais que variam de 58% a 200%, plano de carreira viável e fixação de carga horária semanal.

Uma das principais cobranças é a implementação da aposentadoria especial, o que dá direito ao profissional de se aposentar com 20 anos de trabalho na corporação, mesmo que os outros 10 anos tenham sido em outra profissão.

A Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (ADPESP) alega que um delegado em início de carreira recebe hoje R$ 3.708, incluindo gratificações.   Já em outros Estados, para exercer a mesma função o salário é mais alto.  É o caso de Brasília, que chegaria a  pagar R$ 10 mil, e do Mato Grosso, que paga R$ 8 mil.

Já os policiais afirmam que não têm reajustes significativos nos salários há 13 anos e que a defasagem chega a 200%.     

A ADPESP convocou, por meio de seu site oficial, todos os delegados para participar da greve.  Eles se reuniram na sede

O Governo do Estado está disposto a iniciar as negociações, atendendo as reivindicações. 

No entanto, a Secretaria de Gestão Pública considerou as “reivindicações irrealistas e impertinentes”. Segundo a secretária, os gastos com as reivindicações mais do que dobrariam a atual folha de pagamento da Secretaria de Segurança Pública, atualmente na ordem de R$ 7 bilhões.

Ordem judicial

O Ministério Público do Trabalho da 2ª Região, por meio da desembargadora Dora Vaz Treviño, deferiu uma liminar à Polícia Civil de São Paulo nesta quarta-feira.  A ordem é para que 80% do efetivo seja mantido em serviço e que não haja “interrupção total de qualquer atividade”.

Caso houver descumprimento da ordem, será aplicada uma multa diária de R$ 200 mil, “a ser revertida em favor dos hospitais universitários da Capital Paulista, que atendam gratuitamente a população”.

Saiba mais:

Policiais civis de SP iniciam greve em todo o Estado hoje

Polícia Civil de SP entra em greve por tempo indeterminado

ADPESP

(Lielson Tiozzo)

Read Full Post »